Venho acompanhando há algum tempo notícias e estudos relacionados à veículos elétricos, autônomos, carros compartilhados, ou seja, o futuro da mobilidade. São informações, ainda em sua maioria, publicadas em sites dos EUA, Canadá e Europa, mas que, de maneira ainda um pouco tímida, já aparecem também em alguns veículos no Brasil. Pensando nisso, resolvi publicar algumas curiosidades, tendências e informações relacionadas ao futuro da indústria automotiva.

Na verdade, nem sei se posso chamar de futuro, recentemente li uma matéria publicada pela Business Insider in Earth & Energy, citando alguns países que já tem data marcada para banir veículos movidos à combustão interna. Copenhagen, considerada a cidade mais amigável para bicicletas do mundo, está trabalhando em uma linha de tempo agressiva. Planeja proibir todos os carros a diesel a partir de 2019!

Veja abaixo alguns trechos da matéria citando algumas das nações que já tomaram iniciativa a respeito desse tema e outras que já até definiram a data em que banirão os carros movidos à combustão interna:

Noruega: a partir de 2030 somente carros elétricos e híbridos serão vendidos.

Trata-se do país com o maior progresso na área de eletrificação. Automóveis elétricos e híbridos contabilizaram 28% de participação no mercado norueguês em 2016, de acordo com um relatório de 2017 da IEA – International Energy Agency (agência internacional de energia).

Holanda: definida data de venda de veículos elétricos a partir de 2025.

O país também estimulou a adoção de veículos elétricos. Os carros híbridos e elétricos contabilizaram  6% da quota do mercado holandês em 2016, de acordo com a IEA.

Índia: tem grandes metas para eletrificação, mas pretende vender carros elétricos e híbridos somente em 2030.

O país ainda não construiu uma infraestrutura para arcar com os carros elétricos, sendo assim contabilizam pouquíssima participação do mercado (menos de 1%).

China: diz que venderá carros elétricos e híbridos, mas ainda não tem previsão de data.

A China é o  maior produtor de carros elétricos plug-in do mundo. Na verdade, o país contabilizou mais de 40% de todos os carros elétricos vendidos no mundo em 2016.

Segundo a IEA, os veículos elétricos e híbridos foram responsáveis por 1,4% de participação no mercado chinês em 2016.

Reino Unido:  banirá a venda de carros que utilizam petróleo e diesel apenas em 2040.

Oxford será a primeira cidade no Reino Unido que começará a cortar a venda de carros movidos à combustão interna em 2020. A Escócia planeja fazer o mesmo em 2032.

Os veículos elétricos foram responsáveis por 1,4% de participação no mercado britânico em 2016, segundo o relatório.

França: diz que banirá os carros à gasolina e a diesel até 2040, aspirando ser um país neutro em emissões de carbono até 2050.

Paris planeja eliminar esse tipo de veículo a partir de 2030. Segundo a IEA, os veículos elétricos e híbridos foram responsáveis por 1,4% da quota de participação da França no mercado em 2016.

Cidades como Barcelona, Copenhague e Vancouver planejam banir os carros movidos à combustão interna até 2030.

Embora alguns países ainda não tenham divulgado políticas completas para banir os veículos, alguns prefeitos estão tomando iniciativa de banir os carros de suas cidades.  Os prefeitos de Los Angeles, Cidade do México, Seattle, Barcelona, Vancouver, Milão, Quito, Cidade do Cabo e Auckland comprometeram-se a banir os carros movidos à combustão interna de “grande parte” de suas cidades até 2030.

E quanto aos Estados Unidos?

Os EUA estão atrás de outros países quando o assunto é colocar em prática políticas que encorajem a adoção de veículos elétricos.  Alguns estados, como a Califórnia, estão contribuindo para fornecer uma infraestrutura que auxilia os veículos elétricos e que exclui os carros movidos à combustão interna.  Mas os EUA ainda precisam passar por políticas destinadas a diminuir a emissão de combustível referente a transporte.

Esse atraso faz todo sentido visto o anúncio feito pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em junho do ano passado, sobre a saída de seu país do Acordo de Paris sobre mudanças climáticas!

 

Flávio Sforcin
Diretor de Estratégia e Comunicação
Forward Consulting Brasil